Na rota do dinheiro sujo, primeiro episódio

Estreou na Netflix a série de documentários “Na rota do dinheiro sujo” (“Dirty Money”, no original). São seis episódios sobre episódios de corrupção ou pessoas tumultuam/tumultuaram o mundo financeiro (o último documentário é sobre Donald Trump).

Por ora, assisti apenas ao primeiro episódio, que é sobre o recente escândalo envolvendo a Volkswagen. A empresa fraudou os dados de emissão de poluentes dos seus carros a diesel nos Estados Unidos e mesmo apesar das perdas financeiras com o processo decorrente da fraude tornou-se a maior fabricante de carros do mundo.

A justiça dos EUA foi rigorosa com a empresa, mas, na Europa, os carros da Volks – e de outras montadoras, como Mercedes e BMW – continuam emitindo mais poluentes do que o tolerável. Isso implica em doenças e mortes, mas a grande verdade é que as empresas simplesmente não se importam com isso.

A Volks, por exemplo, quando soube que pesquisadores estavam prestes a descobrir o mecanismo que fraudava os níveis de emissão de poluentes dos carros a diesel, criou um novo mecanismo de fraude para tentar despistá-los.

Ou seja: eles fraudaram a fraude.

O primeiro episódio de “Na rota do dinheiro sujo” mostra como as grandes empresas são parte da esculhambação que move e destrói o mundo e que esmaga as pessoas. As mega corporações, aliadas a políticos e/ou governos corruptos, estragam a vida de todos – quer dizer, de quase todos. O 1% mais rico quase nunca é afetado.

As mega corporações emitem mais poluentes sabendo que emitem, usam trabalho escravo sabendo que usam, causam doenças sabendo que causam. É por isso que deixar as rédeas do mundo na mão desse “empresariado” e do “mercado” significa o nosso calvário. Eles se safam. Nós, não.

Por exemplo: o presidente da Volks na época em que o escândalo veio à tona, e que foi forçado a sair da empresa após declarar que “alguns engenheiros erraram”, como se ele não soubesse de nada, não sofreu nenhuma acusação da justiça e saiu ileso.

O caso da Volks é apenas um exemplo, é apenas uma fraude que veio à tona. Quantas ainda não foram descobertas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *